setembro 16, 2006

RECORDAÇÕES (PERIÓDICAS) DO TEMPO DE CHUVA...

Devo primeiro dizer que gosto dos dias de chuva. Gosto se não tiver levado uma valente molha e ter ficado com a roupa a secar durante o dia todo, sendo eu próprio o estendal.

Talvez esta última frase tenha sido escusada... Apaguem-na da memória, por favor.

Gosto dos dias de chuva, tal como gosto das cores saturadas do Verão. Tal com não gosto do calor do Verão.

Hoje, ao sair do autocarro vindo do emprego, por volta das 20H40, reparei que estava já escuro e o ar estava frio e húmido. Não reparei se choveu, mas veio-me à memória os dias de chuva, do Outono e Inverno do ano passado, de há dois anos, de há três anos e por aí em diante.

Tive um misto de saudades e de frustração. Saudades dos bons e menos bons momentos que este ar húmido me trouxe à memória. Frustração ao aperceber-me que, por mais coisas que se façam, a vida parece cíclica, condenada a repetir-se para sempre, com o período de um ano, escrava de uma frequência bem determinada e teimosa.

Frequência totalmente ilusória... pois nenhum dia é igual ao outro. Mas suficientemente convincente para nós, induzidos pela periodiciadade do que existe à nossa volta. Induzidos pela rotina dos aproximados 12 meses de órbita da Terra em torno do Sol, das aproximadas 24 horas que dura um dia de revolução deste planeta em torno de si mesmo... Da celebração anual de dias importantes, como o Natal, o aniversário de alguém que está vivo ou que já morreu.

Tal como somos todos criaturas sociais, somos também criaturas de ciclos. E é frustrante ter a sensação de um quase dejá-vu, especialmente quando se pretende mudar e tudo à nossa volta parece também preso ao ciclo dos Tempo.

( post que é resultado de uma descarga sináptica, após ter lido o post de Maria, aqui : "Um simplesmente maria em 1/2 dose" )

3 Comments:

Blogger Maria Strüder disse...

Meu querido entendo as tuas palavras como se fossem minhas. Penso o mesmo ao olhar para a chuva e ao ler o teu post lembrei-me de um dia quando ainda andava no secundário em que já estava atrasada(como sempre) e veio uma chuvada empurrada a vento que me molhou da cabeça aos pés. Tenho saudades de sentir isso, de ficar molhada o dia todo por causa da chuva, tenho saudades do secundário da escola, do ambiente familiar. Nostalgia de vida passada. Sim meu querido a vida é repetitiva mas temos que viver, e não cair em rotina,Amém.

01:12  
Blogger robsan disse...

É difícil fugir a esse sentimento, principalmente aquando das primeiras chuvas, como se subitamente despertassem a nossa consciência e nos conduzissem a (mais uma) reavaliação. Nesta época em que o capital nos tomou refém o nosso mais preciso bem (o nosso tempo), é quase impossível não nos sentirmos como Sísifo (http://en.wikipedia.org/wiki/The_Myth_of_Sisyphus), condenados a um ciclo interminável e sem significado aparente. Mas existirá uma saída, se a procurarmos activamente e não esmorecermos com o peso do dia-a-dia.

11:44  
Blogger inBluesY disse...

eu n apago a frase do estendal, pq gosto tb da chuva, tal como descreves do calor tb, das memórias saudosas mesmo as que me fazem chover pq tudo faz parte, mesmo quando não queremos.

13:44  

Enviar um comentário

<< Home





Para receber um e-mail cada vez que haja novidades neste blog clique no símbolo RSSFWD abaixo e introduza o seu e-mail